Notícias

Eike Batista diz que vai voltar e que recebe R$ 16,3 milhões por ano

O empresário Eike Batista disse, em entrevista exclusiva ao jornal Valor desta terça-feira (17), que, apesar de ter perdido grande parte do patrimônio que possuía em 2012 — quando chegou a ser o sétimo homem mais rico do planeta —, ele vai voltar.

O ex-bilionário recebe, atualmente, cerca de R$ 16,3 milhões por ano (US$ 5 milhões, com a cotação do dólar desta terça-feira) do Mubadala, fundo soberano de Abu Dahbi, do qual é sócio desde 2012.

Policiais Federais levam até o celular de Eike Batista

Na entrevista, Eike evita falar de questões que se aproximem dos processos que correm na Justiça do Rio de Janeiro. Entre os projetos que o empresário espera que deem certo e o ajudem a voltar está um remédio comestível sublingual.

 

De acordo com o próprio Eike, o medicamento é “um 'delivery system' [sistema de entrega]. É uma empresa coreana que fabrica isso e eles estão mais ou menos três anos à frente da concorrência”.

Ele explica que o remédio gasta a metade do princípio ativo para produzir o mesmo efeito, porque entra diretamente na corrente sanguínea. Eike diz que fez uma parceria com a empresa sul-coreana C.L. Pharm para fabricar os remédios na Argentina e vendê-los nas Américas e na África.

— É uma mistura de nanotecnologia com laser. Você bota embaixo da língua e em 20 segundos vem o efeito.

Justiça

Das cinco principais empresas que faziam parte do grupo EBX, quatro entraram em recuperação judicial - OXG (atual OGPar), OSX, MMX e Eneva (antiga MPX). Segundo a reportagem do Valor, a Prumo, ex- LLX, dona do porto do Açú, foi a única entre as grandes do grupo de Eike a não pedir proteção à Justiça contra os credores.

Nesta quarta-feira (18), a CVM (Comissão de Valores Mobiliários) julga o empresário e mais 17 executivos por falha no dever de informar em quatro das cinco empresas abertas (CCX, LLX MPX e OGX). A acusação por uso de informação privilegiada ainda não tem data para julgamento.

 

Garis fazem manifestação no quarto dia de greve no Rio

RIO - Cerca de 80 garis fazem uma manifestação no Centro do Rio na manhã desta segunda-feira. Eles seguiram em direção ao Tribunal Regional do Trabalho (TRT) , localizado na Avenida Presidente Antônio Carlos, onde participarão de uma reunião com representantes do sindicato para tentar um acordo coletivo. Os trabalhadores esperam também a presença de um representante da Comlurb, com uma nova contraproposta de reajuste salarial. O sindicato quer um aumento de 40% mais a inflação.

Garis querem um aumento salarial de 40%.
TRT determinou o fim imediato da greve sob pena diária de R$ 100 mil.

Caminhões de lixo da Companhia Municipal de Limpeza Urbana do Rio (Comlurb) foram escoltados por segurança privada e armada na sede da Guarda Municipal, na Leopoldina, Centro do Rio, na manhã desta sexta-feira (13). O motivo seria a greve de garis anunciada à 0h desta sexta-feira (12).

 

 

 

Policiais faziam reforço em garagens e superintendência, visando a segurança dos trabalhadores que não aderirem ao ato. Por causa da greve dos garis, sinais da falta de coleta podiam ser vistos em diversas ruas da cidade, como arredores da Central do Brasil, Rua Uruguaiana, Avenida Presidente Vargas, e Glória.

A categoria decidiu pela paralisação por tempo indeterminado. Eles pedem aumento salarial de 40% e vale refeição no valor de R$ 27. Nesta sexta, a categoria irá se reunir em assembleia, a partir de 15h, na Cinelândia, também no Centro.

Segundo informações do RJTV, um plano de contingência para a coleta do lixo foi montado, que conta com escolta para aquelas que ainda estão trabalhando.

 

 

BEBÊ SOBREVIVE POR UM MILAGRE, 14 HORAS APÓS ACIDENTE DE CARRO.

Uma criança de um ano e meio sobreviveu a um acidente de carro de maneira milagrosa. A bebê Lily Groesbeck ficou nada menos que 14 horas dentro do veículo parcialmente submerso em um rio de águas geladas em Utah (Estados Unidos) - a temperatura, segundo testemunhas, era de zero grau. Ela foi encontrada pendurada de cabeça para baixo, acima da água, por um pescador, na tarde de sábado.

De acordo com as investigações, a mãe de Lily dirigia por uma rodovia quando o carro bateu em um barreira de cimento e caiu no rio. O acidente aconteceu durante a noite de sexta-feira e, por isso, ninguém percebeu o que havia acontecido até o dia seguinte, quando o pescador viu o carro no rio. A mulher, Lynn Jennifer Groesbeck, de 25 anos, foi encontrada sem vida no banco do motorista, enquanto a bebê estava na cadeirinha, no banco de trás do carro.

A família da criança agora está recolhendo doações pela internet para custear o enterro da mãe e o tratamento médico de Lily, que foi levada para o Childrens Hospital de Salt Lake City em estado crítico, mas estável.

 

 

A bebê Lily Groesbeck foi encontrada dentro de
carro que estava submerso em rio de Utah, ao lado
do corpo de sua mãe Jennifer Groesbeck
(Foto: Reprodução/Facebook/ Jennifer Groesbeck)

 

A criança foi levada de ambulância para a pequena cidade de Mountain View e, em seguida, transportada de helicóptero ao Hospital Primary's Children, em Salt Lake City, disse o tenente Matt Johnson, do Departamento de Polícia de Spanish Fork., acrescentando que ela permanecia em estado grave. A porta-voz do hospital, Bonnie Midget, contou que a menina está "estável e melhorando".

A criança estava no banco de trás do carro "com a água a poucos centímetros de distância do rosto", disse o tenente Johnson.

A tia de Lily, Jill Sanderson, disse em comunicado publicado no site gofundme.com que a melhora da garota era surpreendente e que a família tem recebido manifestações de amor e apoio de todo mundo.

Morre aos 90 anos a Famosa Cantora Sertaneja Inezita Barroso

Morreu, neste domingo (8), a cantora e apresentadora Inezita Barroso. Aos 90, completados no último dia 4, ela estava estava internada no Hospital Sírio Libanês. A notícia foi divulgada por Sonia Abrão, em seu Instagram: "Morre Inezita Barroso! Ela estava internada no Hospital Sírio Libanês. O velório será amanhã na Assembléia Legislativa. Luto na música sertaneja!", escreveu a jornalista e apresentadora.

Inezita estava hospitalizada desde sexta-feira (6), com suspeita de infecção urinária e passou por uma série de exames. Uma personalidade importante na música sertaneja, Inezita já havia sido internada em dezembro, após sofrer uma queda em sua casa de Campos do Jordão, no interior de São Paulo. O tombo teria ocorrido de sua cama e ela machucou as costas. Desde então, ela estava afastada do tradicional programa Viola Minha Viola, transmitido pela TV Cultura, que comandava desde 1980.

Além da TV e da música, Inezita ainda fez carreira no rádio, cinema e teatro, como atriz e produtora de peças musicais. Em novembro de 2014, Inezita ainda conquistou um posto na Academia Paulista de Letras.

Ignez Magdalena Aranha de Lima, nome de batismo de Inezita, conquistou o sobrenome Barroso ao se casar, em 1947, com o advogado Adolfo Cabral Barroso. A paixão pela música veio desde pequena, com a arte passada desde criança pela sua família. Estudou piano e Bilbioteconomia, mas optou pela carreira como cantora. Com mais de 50 anos de carreira e 80 discos gravados, Inezita teve sucessos em sua voz como Ronda e Moda da Pinga.

 

Inezita Barroso, a grande dama da música de raiz

Ignez Magdalena Aranha de Lima, nome de batismo de Inezita Barroso, nasceu em 4 de março de 1925, no bairro da Barra Funda, em São Paulo. Filha de família tradicional paulistana, passou a infância cercada por influências musicais diversas, mas foi na fazenda da família, no interior paulista, que desenvolveu seu amor pela música caipira e pelas tradições populares. Formada em Biblioteconomia na USP (Universidade de São Paulo), Inezita foi uma grande pesquisadora da música caipira brasileira. Por conta própria, percorreu o interior do Brasil resgatando histórias e canções. Reconhecida por este trabalho, foi convidada a dar aulas sobre folclore em uma universidade paulista. Pelo seu trabalho como folclorista, e por ser uma enciclopédia viva da música caipira e do folclore nacional, recebeu o título de doutora Honoris Causa em Folclore pela Universidade de Lisboa.

O nome artístico foi criado aos 25 anos, quando ela juntou seu apelido de infância, Inezita, ao sobrenome do marido, Barroso.

A artista Inezita Barroso era cantora, instrumentista, folclorista, atriz e professora. Começou a cantar e estudar violão aos sete anos. Depois, começou com viola e piano. Tomou gosto pelo universo rural já nos primeiros anos de sua vida e na adolescência realizou recitais e shows. Sua primeira gravação em disco foi realizada no ano de 1951 pela gravadora Sínter. A partir daí, Inezita gravou cerca de 100 discos.

O primeiro DVD musical da dama da música de raiz, Inezita Barroso – Cabocla Eu Sou, foi lançado em dezembro de 2013 e sintetiza os mais de 60 anos de carreira da cantora.

É uma das cantoras mais premiadas do Brasil, sendo detentora de mais de 200 prêmios, entre eles o Prêmio Sharp de Música na categoria Melhor Cantora Regional, o Grande Prêmio do Júri do Prêmio Movimento de Música, em homenagem aos 47 anos de carreira, e o Prêmio Roquette Pinto como Melhor Cantora de Rádio da Música Popular Brasileira. Sua longa carreira foi coroada com o Grande Prêmio da Crítica da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA), em 2010, e com a escolha de seu nome para ocupar uma das cadeiras da Academia Paulista de Letras, em 2014. Inezita seria empossada oficialmente em meados de março deste ano.

Em 2009, Inezita recebeu do governo do Estado de São Paulo o título vitalício de Grande Oficial pelo compromisso com as raízes culturais do país e pela contribuição significativa para o entretenimento dos brasileiros.

Na tevê, sua carreira começou junto com a TV Record, onde foi a primeira cantora contratada. Depois, passou pela extinta TV Tupi e outras emissoras, até chegar à TV Cultura para comandar oViola, Minha Viola.

Na rádio, Inezita esteve à frente de microfones da Record, USP e Rádio Cultura AM, onde apresentou, por 10 anos, o programa diário Estrela da Manhã.

 

O começo de tudo

O mais antigo programa de música da TV brasileira no ar, O Viola, Minha Viola estreou no dia 25 de maio de 1980, com apresentação de Moraes Sarmento (1922-1998) e Nonô Basílio (1922-1997), nos estúdios da TV Cultura, na Barra Funda. A partir da terceira edição, em junho, Inezita Barroso passou a participar da atração como convidada fixa e logo já conquistou a simpatia do público. Meses depois, em agosto, Nonô deixou o programa e Moraes ganhou como parceira a mulher que, anos mais tarde, tornar-se-ia a dama da música caipira no País.

Nessa época, a atração também ganhou espaço exclusivo: mudou-se para o Auditório Franco Zampari, na região da Luz, em São Paulo. Durante algum tempo, o Viola foi itinerante e viajou por diversas cidades do interior paulista, voltando, mais tarde, a fixar-se no Zampari.

Inezita Barroso gravou mais de 1500 edições do Viola, Minha Viola, voltado a modas de viola, música de raiz, lendas e danças folclóricas.

Tendo se tornado um verdadeiro centro da tradicional música de raiz, ao longo dos anos, o palco doViola recebeu os maiores astros do gênero, como Tonico e Tinoco; João Pacífico; As Galvão; Pedro Bento e Zé da Estrada; Cascatinha e Inhana; Milionário e José Rico; Tião Carreiro e Pardinho; Almir Sater; Daniel; Chitãozinho & Xororó; Renato Teixeira: Sergio Reis; entre muitos outros célebres do cenário musical caipira.

Inezita deixa uma única filha, Marta Barroso Macedo Leme.

Canoa indígena construída em 1610 é encontrada em Minas Gerais

 

Canoa indígena construída em 1610 é encontrada em Minas Gerais

 

Por Defender | 6 de março de 2015

 

 

Primeira página 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 Última página