Notícias

FALTA D'ÁGUA EM SÃO PAULO E NO SUDESTE

Apesar de maior chuva do ano, Cantareira tem sua 13ª queda seguida

 

Acumulado de precipitações ainda representa 33,5% do previsto no mês. Quatro sistemas que atendem a Grande SP subiram e um ficou estável.

 

 

Com a chuva entre esta sexta e sábado, de 25,9 milímetros, o acumulado de precipitações no Cantareira em janeiro vai para 90,8 milímetros,  o que ainda representa 33,5% do previsto para todo o mês. A maior chuva registrada em janeiro antes da deste sábado ocorreu no dia 7, com 17,6 milímetros.

De acordo com a Sabesp, o acumulado de chuvas de um dia abrange o período de 24 horas entre a divulgação dos boletins, publicados sempre às 9h.

A dificuldade de o sistema receber e armazenar água contrasta com os números registrados pelos outros sistemas, que aproveitaram as chuvas trazidas pela frente fria que chegou ao estado nesta quarta-feira (21).

 

Confira os níveis dos outros sistemas que abastecem a Grande São Paulo:

Alto Tietê: subiu de 10,3% para 10,4%;
Guarapiranga: subiu de 38,5% para 39,4%;
Alto Cotia: subiu de 28,5% para 28,6%;
Rio Grande: subiu 70,3% para 71,7%;
Rio Claro: permaneceu em 30,6%.

Previsão
As precipitações devem ficar abaixo da média pelo menos até abril. É o que prevê o Grupo de Trabalho em Previsão Climática Sazonal do Ministério de Ciência e Tecnologia. O resultado foi divulgado na tarde do dia 16, na sede do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), em Brasília.

Junto com o ano de 2014, terminou também o melhor mês do Cantareira no ano. Em dezembro, o nível do sistema baixou 1,5 ponto percentual. Foi o menor índice de queda mensal no ano. A maior baixa foi em fevereiro, quando o volume acumulado recuou 5,5 pontos percentuais.

Dezembro também foi o melhor mês em número de dias sem queda no nível do reservatório. Foram 11: em 8 deles o nível se estabilizou, e em outros 3 ele chegou a subir. Foi a única vez no ano em que o nível aumentou três vezes seguidas, dos dias 24 a 26. Nesse sentido, os piores meses foram junho, julho, agosto e outubro, quando o nível caiu todos os dias.

O Cantareira terminou 2014 sem recuperar 492 bilhões de litros de água perdidos durante os 12 meses. O ano começou com o nível do reservatório em 27,2% e terminou com 7,2%.

Porém, com a utilização das duas cotas do volume morto (a primeira elevou o manancial em 18,5 pontos percentuais e a segunda em 10,7 pontos percentuais) é como se os reservatórios tivessem iniciado 2014 com um volume acumulado de 56,4%. Assim, a queda foi 49,2% durante o ano, o número representa 492 bilhões de litros. De acordo com estimativas da Sabesp, o reservatório tem capacidade de armazenar 1 trilhão de litros, quando está com 100% do seu nível.

Segundo a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), o sistema abastece atualmente 6,5 milhões de pessoas na Grande SP.

Multa
Depois de ser barrada na Justiça no dia 13, a sobretaxa na conta de água para quem aumantar o consumo voltou a valer no dia 14, após o governo vencer recurso contra a Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (Proteste).

A partir da conta de fevereiro, serão cobrados 40% de multa para quem consumir até 20% a mais do que a média entre fevereiro de 2013 e janeiro de 2014. Quem ultrapassar 20% dessa média será multado em 100% sobre o gasto com água, que representa metade da conta. Os outros 50% são referentes ao serviço de coleta de esgoto.

Os sistemas que abastecem várias regiões do estado de São Paulo têm enfrentado quedas frequentes do volume de água armazenado devido à falta de chuvas. Na Grande São Paulo, os principais sistemas, Cantareira, Alto Tietê e Guarapiranga, são os mais afetados.

Bônus
Entre fevereiro e outubro do ano passado, a companhia concedeu bônus de 30% na conta de clientes que economizassem 20% ou mais de água em relação à média de consumo entre dos 12 meses que vão de fevereiro de 2013 a janeiro de 2014.

A medida foi adotada para estimular a redução no consumo. Desde novembro, o desconto gradual passou a ser dado para os imóveis que reduzirem o consumo entre 10% e 20%. O desconto foi prorrogado até o fim de 2015.

O percentual será calculado com base na média de fevereiro de 2013 até janeiro de 2014. A média já aparece na conta dos consumidores. A meta do governo é reduzir 2,5 metros cúbicos por segundo de consumo. O governador Geraldo Alckmin (PSDB) negou que a medida seja uma multa ao consumidor. Ele define o ônus como "tarifa de contingência".

Com a medida, a multa será aplicada da seguinte maneira: um consumidor que, em média, gasta 10 m³ de água receberá conta 20% mais cara se utilizar entre 10,1 m³ e 12 m³ em um mês. Caso gaste acima de 12,1 m³, irá pagar 50% a mais. O consumidor que elevar o gasto passará a ser cobrado na conta de fevereiro.

 

Fonte G1

Indonésia executa brasileiro condenado por tráfico de drogas

O brasileiro Marco Archer Cardoso Moreira, de 53 anos, foi executado na madrugada deste domingo (18) na Indonésia– 15h31 deste sábado (17), pelo horário de Brasília. O método de execução de condenados à pena de morte no país é o fuzilamento.

O instrutor de voo livre havia sido preso em 2004, ao tentar entrar na Indonésia com 13 quilos de cocaína escondidos nos tubos de uma asa delta. A droga foi descoberta pelo raio-x, no Aeroporto Internacional de Jacarta. Archer conseguiu fugir do aeroporto, mas duas semanas depois acabou preso novamente. A Indonésia pune o tráfico de drogas com pena de morte.

Além do brasileiro, foram executados na ilha de Nusakambangan, Ang Kiem Soe, um cidadão holandês; Namaona Denis, um residente do Malawi; Daniel Enemuo, nigeriano, e uma cidadã indonésia, Rani Andriani. Outra vietnamita, Tran Thi Bich Hanh, foi executada em Boyolali, na Ilha de Java.

A presidente Dilma Rousseff divulgou nota em que disse estar “consternada e indignada”com a execução do brasileiro Marco Archer Cardoso Moreira na Indonésia. O embaixador do Brasil em Jacarta, segundo a nota, será chamado para consultas.

 

Na linguagem diplomática, chamar um embaixador para consultas representa uma espécie de agravo ao país no qual está o embaixador. Na sexta-feira, a presidente Dilma fez um apelo por telefone ao governante da Indonésia, Joko Widodo, para poupar a vida de Archer, mas não foi atendida. Widodo respondeu que não poderia reverter a sentença de morte imposta a Archer, “pois todos os trâmites jurídicos foram seguidos conforme a lei indonésia e aos brasileiros foi garantido o devido processo legal”, segundo nota da Presidência.

 

Antes da execução, em entrevista à GloboNews, o ex-cônsul do Brasil em Bali Renato Vianna explicou que Archer e os demais condenados à morte seriam transferidos para um lugar próximo à penitenciária e depois fuzilados por 12 atiradores.

Questionado sobre outros brasileiros anteriormente condenados pelo mesmo motivo na Indonésia e que conseguiram se livrar da pena de morte, Vianna destacou que, no período, as penas não eram tão rígidas com relação às drogas. Explicou ainda que a legislação foi mudada há uns 15 anos.

 

Marco Archer é instrutor de voo livre e foi preso ao tentar entrar na Indonésia, em 2004, com 13 quilos de cocaína escondidos nos tubos de uma asa delta. A droga foi descoberta pelo raio-x, no Aeroporto Internacional de Jacarta. O brasileiro conseguiu fugir do aeroporto, mas foi preso duas semanas depois. A Indonésia pune com pena de morte o tráfico de drogas.

Ônibus do BRT batem no Recreio, Zona Oeste do Rio

Ônibus do BRT batem no Recreio, Zona Oeste do Rio

Colisões aconteceram próximas as estações Pontal e Cetex. 
Segundo bombeiros, 150 pessoas ficaram feridas.

Acidentes envolvendo ônibus do BRT na Zona Oeste do Rio deixaram 150 pessoas feridas na manhã desta terça-feira (13), segundo o Corpo de Bombeiros. 

Um dos acidentes envolveu dois ônibus que bateram na Avenida das Américas, pista sentido Alvorada, na altura da estação Pontal, na Zona Oeste do Rio. Bombeiros do quartel de Pedra de Guaratiba foram acionados. Segundo equipes que estavam no local, este acidente deixou 30 feridos.

Segundo a concessionária BRT, cerca de 30 minutos depois, houve uma nova colisão na pista sentido Alvorada, próximo à estação Cetex. Ainda segundo a concessionária, um desvio operacional funciona nos dois locais e os passageiros já trocaram de ônibus. Os intervalos seguem normais no corredor Transoeste. Ainda de acordo com guardas, a colisão deixou 120 vítimas e também envolveu dois coletivos.

Celular

Os feridos nos dois acidentes foram encaminhados para os hospitais Lourenço Jorge, na Barra, Carlos Chagas, Marechal Hermes e Miguel Couto, no Leblon. Segundo bombeiros, as primeiras informações indicavam que as vítimas sofreram ferimentos leves. No acidente que ocorreu na altura da estação Ctex, em Guaratiba, passageiros de um dos veículos dizem que o motorista falava no celular no momento da colisão.

 

A técnica de enfermagem Taiane Novaes
foi atendida perto da estação Cetex
(Foto: Guilherme Brito/G1)

 

"Os passageiros do ônibus estavam comentando que o motorista estava discutindo no celular com a esposa, se distraiu e bateu no da frente, que estava quase parando. Uma passageira gritou inclusive: 'vai bater'. A batida foi bem forte", disse a técnica de enfermagem Taiane dos Santos Novaes.Os feridos nos dois acidentes foram encaminhados para os hospitais Lourenço Jorge, na Barra, Carlos Chagas, Marechal Hermes e Miguel Couto, no Leblon. Segundo bombeiros, as primeiras informações indicavam que as vítimas sofreram ferimentos leves. No acidente que ocorreu na altura da estação Ctex, em Guaratiba, passageiros de um dos veículos dizem que o motorista falava no celular no momento da colisão. 

 

O Consórcio BRT informou que aguarda a conclusão da perícia, que determinará a causa dos dois acidentes e acrescentou que a assistência a feridos é prestada pelas empresas operadoras.

FONTE: G1

 

Justiça do Rio nega liminar do Ministério Público contra aumento das passagens de ônibus

A Justiça negou, na noite desta segunda-feira, a liminar movida pelo Ministério Público para suspender o reajuste das passagens de ônibus municipais do Rio. No despacho, o juiz responsável pelo plantão judiciário afirma que, antes de se posicionar sobre a questão, é preciso que a prefeitura se manifeste, expondo as justificativas para o valor do aumento.

“O ato da administração pública, que tem presunção de legitimidade, certamente se calcou em elementos técnicos que entendeu hábeis para aferição dos custos e propriedade do aumento”, diz o texto, acrescentando que tais elementos “devem ser trazidos aos autos”.

Na ação coletiva de consumo, encaminhada pela manhã junto ao pedido de liminar, o promotor Rodrigo Terra havia argumentado: “Não é apenas pelos vinte centavos que se move a presente ação, mas sobretudo pelo cumprimento do contrato de concessão”.

O promotor alega ainda não ser possível, em sua concepção, confiar na prestação de contas das empresas de ônibus. No texto encaminhado à Justiça, ele destaca que “o contrato de concessão veda o repasse de custos financeiros, como esta alavancagem na tarifa, para cobrir futuros investimentos”.

— A irregularidade mais grave é a violação ao que o contrato prevê em relação ao índice de reajuste. O percentual deveria ter sido de cerca de 6%, o que levaria a tarifa para R$ 3,20. Mas, se o poder executivo se reserva o poder de acrescentar qualquer valor a esse percentual, rasga o contrato de concessão e afronta a Constituição da República — analisa Terra.

Ele acrescenta que o objetivo da liminar não era retornar o preço da passagem para o valor anterior, de R$ 3:

— O pedido não é de suspensão de todo o reajuste, mas apenas da parte (os R$ 0,20) que se fundamentou no “AI 5” do ônibus — afirmou, comparando a lei que autoriza aumento por critérios do Executivo e não do contrato de concessão ao ato institucional que, na época da ditadura, suprimiu direitos civis.

O promotor relata que, nos últimos anos, o MP tem tentado obter, na Justiça, o acesso às planilhas com os gastos das empresas de ônibus.

— Queremos saber qual seria a tarifa justa para o serviço, mas até hoje não tivemos sucesso. Não há como confiar no que não se vê.

TARIFA DOS ÔNIBUS MUNICIPAIS NO RIO, SOBE PARA R$ 3,40

Tarifa dos ônibus municipais sobe para R$ 3,40 a partir de sábado


Segundo a Secretaria Municipal de Transportes, o reajuste segue os critérios estabelecidos por contrato

A Prefeitura do Rio informou, na tarde desta terça-feira, que a partir da 0h do próximo sábado, dia 3, o preço da passagens dos ônibus municipais fica estabelecido em R$ 3,40. Segundo a Secretaria Municipal de Transportes, o reajuste segue os critérios estabelecidos pelo Poder Executivo fixados contratualmente. O aumento é de 13% em relação ao valor atual (R$ 3).

A fórmula de cálculo utiliza valores segundo fonte da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O preço estabelecido é válido para o modal do Bilhete Único Carioca (BUC), que possibilita a utilização no Serviço Público de Transporte de Passageiros por ônibus do Rio.

Prefeito Eduardo Paes confirmou reajuste
 

Trem, barcas e ônibus intermunicipais também aumentam

SuperVia e CCR Barcas poderão aumentar o valor das passagens a partir do dia 12 de fevereiro de 2015 desde que avisem seus passageiros com 30 dias de antecedência. O reajuste da tarifa foi permitido em sessão regulatória realizada no último dia 18 e divulgado nesta terça-feira pela Agetransp, a Agência Reguladora de Transportes.

A decisão permite à concessionária que administra os trens cobrar R$ 3,30. Nas barcas, poderão ser cobrados R$ 5. O conselho diretor da agência reguladora homologou reajuste de 5,75% (IPCA) para tarifa das linhas sociais de barcas e de 3,66% (IGP-M) para a tarifa dos trens.

As passagens também subirão nos ônibus intermunicipais, onde as novas tarifas entram em vigor a partir do dia 10 de janeiro de 2015, segundo publicação no Diário Oficial do Estado desta terça-feira. O índice de reajuste nos valores das passagens dos ônibus e vans intermunicipais será de 12,46%.

Sendo assim, o valor da passagem passará dos atuais R$ 2,80 para R$ 3,15. O valor do Bilhete Único seguirá o índice, indo dos R$ 5,25 para R$ 5,90. Segundo o Governo do Estado, o novo valor do Bilhete Único começa a valer em 1º de fevereiro de 2015.

Táxis também são autorizados a subir tarifas

E ainda nesta terça, mais um motivo para os cariocas começarem a temer pelos bolsos. A Secretaria Municipal de Transportes (SMTR) reajuste nas tarifas dos 33 mil táxis que circulam no município do Rio - convencionais (amarelinhos) e Executivos (especiais).

O reajuste, de cerca de 5,8% com base na tarifa vigente do táxi convencional, passa a vigorar a partir do primeiro minuto de sexta-feira, 2/01. A bandeirada passará de R$ 4,80 para R$ 5,20. A SMTR já definiu que a distribuição das tabelas será feita na sexta-feira, em 11 pontos da cidade. Os táxis executivos devem se dirigir ao Guerenguê para a retirada da nova tabela.

A Resolução autoriza o reajuste de R$1,95 para R$ 2,05 o valor da quilometragem na Tarifa 1, de segunda à sábado, das 6h às 21h. Já na Tarifa 2, o quilômetro rodado, em vigor das 21h às 6h e aos domingos e feriados, independente do horário, passará de R$ 2,34 para R$ 2,46.

A SMTR autoriza a cobrança na tarifa 2 das corridas com destino a áreas de ladeiras íngremes, sem discriminação horária. A tarifa da hora parada ou de espera sobe de R$ 24,57 para R$ 25,83, enquanto o preço para transportar volumes com dimensões entre 30 por 60 centímetros passa de R$ 1,95 para R$ 2,05, desde que a bagagem seja manuseada pelo motorista.

Nos táxis da categoria Executivo (especiais), a bandeirada passará de R$ 6,30 para R$ 6.60; o quilômetro rodado de R$ 3,40 para R$ 3,60 e a tarifa de espera ou de hora parada de R$ 42,84 para R$ 45,36. Até a aferição do taxímetro com a nova tarifa, a Secretaria informa que a cobrança dos novos preços deverá ser confrontada com os valores marcados no taxímetro com o valor indicado na tabela afixada internamente no vidro lateral traseiro esquerdo do táxi.

Primeira página 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 Última página